Cinecartaz

Fernando Costa

Os Miúdos e Graúdos de Sandler

“Miúdos e Graúdos” é mais uma comédia com a marca de Adam Sandler e mais uma vez o excesso e a pouca elegância cómica resultam num comédia dispensável mas que possivelmente agradará aos apreciadores deste tipo de comédias de Sandler (e que não são poucos). Adam Sandler ganhou sem dúvida o seu lugar em Hollywood. Goste-se ou não do seu trabalho a verdade é que filme atrás de filme Sandler consegue atrair audiência e este já é o seu décimo primeiro filme em que participa como actor que ultrapassou os 100 milhões de dolars na bilheteira norte-americana (Sandler é o 30º actor mais rentável da história do cinema).Escrito pelo próprio Sandler, “Miúdos e Graúdos” é a história de um grupo de amigos que há 30 anos atrás ganharam um campeonato de basquetebol infantil e que se reúnem no funeral do seu antigo treinador combinando passar um fim-de-semana numa casa à beira de um lago acompanhados das suas respectivas famílias. Cada um dos elementos da equipa seguiu um caminho de vida diferente – Lenny Feder tornou-se num agente de Hollywood de sucesso (Adam Sandler), Eric Lamonsoff representa o americano médio (Kevin James), Kurt McKenzie tornou-se “househusband” (Chris Rock), Marcus Higgins permaneceu solteirão e sem responsabilidades (David Spade) e Rob Hilliard tornou-se esotérico (Rob Schneider). Ao olhar estas personagens masculinas (o tom do filme é definitivamente masculino) pretende-se resgatar o passado e a importância da amizade e da interacção interpessoal em detrimento do isolamento e do uso excessivo das novas tecnologias (é interessante notar como na realidade o conceito de brincar no exterior se perdeu e o quanto a pressão social para o sucesso afectou a dinâmica familiar, como a relação dos pais com os filhos mudou e como mudou o protótipo masculino – se é que existe um actualmente). A intenção é boa mas o excesso a que Sandler nos vem maioritariamente habituando e a pouca elegância e subtileza cómica voltam a tomar conta do projecto transformando-o em algo medíocre e superficial, sendo que a direcção de Dennis Dugan não ajuda. Quanto aos actores há uma personagem/interpretação particularmente insuportável que é a de Schneider, depois temos uma Salma Hayek muito longe de Frida e Steve Buscemi que não sabemos o que está aqui a fazer. Não há muito mais a dizer sobre “Miúdos e Graúdos” e é pena porque Adam Sandler já provou ser capaz de um tipo de comédia mais interessante e não tanto grosseira. Para quem aprecia este tipo de comédia. (0.75/5).

Publicada a 06-08-2010 por Fernando Costa