Cinecartaz

Fernando Oliveira

Sacanas sem lei

Eis um filme que é uma demonstração exemplar do método criativo de Tarantino.
Acredito que as ideias para os seus filmes lhes vêm de imagens completamente estapafúrdias, que ele depois cruza com as milhentas referências que tem do seu passado cinéfilo, e sabemos que Tarantino gosta de filmes que não “lembra” a mais ninguém gostar, e depois acrescenta diálogos extraordináriamente inteligentes de causticidade e humor.
Com esta mistura consegue resgatar géneros e maneirismos cinematográficos que todos nós assumimos como descaradamente xunga, e transformá-los em filmes verdadeiramente modernos e absolutamente geniais. Claro que este método tem como consequência serem filmes demasiado codificados nas suas referências, e excessivos nos preciosismos, mas tudo isto passa ao lado para quem aceita entrar nestes autênticos delírios que se sentem quase como uma brincadeira para o realizador.
E brincadeira é a palavra certa: sente-se em todos os seus filmes o enorme gozo que ele tem em fazê-los. É alguém que ama o Cinema e adora fazer filmes.
Este “Inglorious basterds” é sua visão, extraordinariamente caricatural e ao mesmo tempo cruel, tanto da ocupação nazi da França, como da resistência terrorista (neste filme no verdadeiro sentido da palavra). Um grupo de militares Judeus é largado na França ocupada para matar de uma forma visivelmente sádica o maior número possível de nazis. Ao mesmo tempo é anunciada a estreia em Paris de um filme alemão com a presença de todas as individualidades do regime, incluindo o próprio Hitler…. A partir daqui Tarantino, misturando um argumento impregnado de nonsense e desrespeitador da História com a sua genialidade de fazedor de filmes, consegue mais uma vez criar um objecto único, um filme magnifico.
(em "oceuoinfernoeodesejo.blogspot.pt")

Publicada a 01-03-2021 por Fernando Oliveira