Cinecartaz

Luis Lima

Um muito bom remake de um clássico (CUIDADO SPOILERS)

Sendo sempre uma versão moderna de um clássico, um filme nunca pode estar ao nível do anterior. Pena que muitos críticos nunca percebam esta lei básica do cinema. O toque ambientalista do filme nada mais é do que a necessária e há muita antecipada (por não ter começado agora) saturação subliminar da consciência das massas para um problema que oficialmente muitos continuam a ignorar, querer esconder e, principalmente, não dar às pessoas a verdadeira dimensão da catástrofe que se adivinha. Por isso, qualquer filme que toque nesse aspecto, para mim é bom. Ponto final parágrafo. Efeitos especiais à parte, este filme é uma metáfora para a ideia (NÃO RELIGIOSA) de que a Humanidade é dona do seu destino e podem mudar as coisas se o quiserem fazer. Na verdade a ideia de todo o conceito do remake é dar a entender que a sociedade como nós a vemos é uma fachada, há coisas muito superiores a nós (dentro e for deste planeta) e que temos é de aceitar isso e trabalhar para nos salvarmos e para que estejamos aqui muito tempo a criticar cinema em vez de termos sido reduzidos a cinzas por catástrofes ambientais. A todos os fãs do clássico de 51 - não percam. Aos outros, vão ver. É muito bom. PS: E Sr Jorge, da próxima vez que quiser contar metade do filme numa crítica AVISE NO TÍTULO. Pode ser Sr. Jorge? Muito obrigado. É que as pessoas que não viram o clássico gostariam de manter o suspance de um filme. Um bocado de respeito pelos cinéfilos não fazia mal...

Publicada a 13-12-2008 por Luis Lima