Cinecartaz

Fernando Oliveira

Eastern promises

O mal foi sempre o objecto de estudo do cinema de Cronenberg, até “eXiztenz” foi quase sempre representado como uma entidade visceral, física ou alucinada, mutante, que explodia para fora do corpo e controlava as personagens quase sempre até à ruína física e mental. A partir de “Uma história de violência” de 2005, o cinema do realizador tornou-se muito mais brutal, porque o mal passou a ser uma extenção do carácter humano. Nesse e muito mais neste filme é a bestialidade humana que passou a definir o rumo da história, contada numa ambiência tão malsã, que deixa uma perturbação tremenda em quem o vê.
A partir de um inteligente argumento escrito por Steven Knight (autor também dos argumentos de “Dirty pretty things”; de “Redenção” ou “Locke”, que também realizou; ou “Aliados”, o magnifico último filme de Zemeckis) que conta o cruzamento de Anna (uma espantosa Naomi Watts, num desempenho de sublime contenção), parteira de um hospital de Londres, (uma Londres quase estranha retratada pela fotografia de Peter Suschitzky), com o submundo das máfias imigrantes (neste caso a russa), e o horror do tráfico de mulheres para a escravidão sexual. Desse lado manda Semyon (Armin Mueller-Stahl) um personagem tenebroso, debaixo da pele de um aparente inofensivo dono de um restaurante, e o seu filho Kirill (Vincent Cassel) meio enlouquecido pela necessidade de provar ao seu pai a sua maldade. Nikolai é o motorista da família (e num filme onde o trabalho dos actores é extraordinário, Viggo Mortensen é o melhor), personagem de carácter indefinido, abstracta (ele é também um policia russo infiltrado naquele mundo), que ao circular entre os dois lados acaba por misturar comportamentos e sentires numa vertiginosa descida aos abismos da alma humana. As imagens finais (e depois da única cena solar do filme: Anna com a bebé no pequeno jardim) são de um imenso negrume: ele mantém, apesar de tudo, o negócio….
A arte de Cronenberg é espantosa no equilíbrio entre os vários momentos do seu cinema (a fixação pelo corpo está lá, na importância com que são filmadas as tatuagens, por exemplo) e o papel fundamental deste na definição da história, esta, e o grande trabalho dos actores. Um dos grandes filmes deste século.
(em "oceuoinfernoeodesejo.blogspot.pt")

Publicada a 13-02-2021 por Fernando Oliveira