Cinecartaz

Andreea Fernandes

A bidireccionalidade de um filme

Quando se vê um filme raramente se pensa no que foi feito nos bastidores... Vê-se o filme e pronto! No máximo fazemos a nossa própria interpretação acerca do filme. Quando se está no seu próprio país raramente se pensa na visão de um estrangeiro sobre esse país, mas sim na visão que se tem sobre os estrangeiros. Este filme conseguiu inverter o sentido dessa visão e mostrou de forma prática e muito suave o outro lado. Mostrou o que os imigrantes fazem no seu trabalho de bastidores, que raramente é notado mas que existe e que permite que Portugal seja um país mais bonito e produtivo. Eu tive um apreço especial por este filme, sendo que estou envolvida num trabalho voluntário onde vários portugueses aprenderam a língua romena para falar com romenos e moldavos acerca do futuro que um livro muito antigo há já muito tempo que cita (e que também foi citado no filme!)

Mas enquanto esse futuro não chega, é dada uma atenção personalizada a cada imigrante contactado. E quão bom é, ver que há mais pessoas a olhar para onde poucos prestam atenção. Porque nem sempre se "compra tempo" para tal. Mas, graças a Deus, a comunicação com Ele é bidireccional e Ele toma atenção a todos e não lhes é indiferente nem é parcial (Actos dos Apóstolos 10:35). Parabéns pelo excelente documentário!

Publicada a 26-04-2006 por Andreea Fernandes