Cinecartaz

Pub

The Only Living Boy in New York

Título original:
The Only Living Boy in New York
De:
Marc Webb
Com:
Callum Turner, Kate Beckinsale, Pierce Brosnan, Cynthia Nixon
Género:
Drama
Classificação:
M/12
Outros dados:
EUA, 2017, Cores, 89 min.

Apesar de consciente de ter sido sempre um privilegiado, o jovem Thomas Webb ainda se esforça por se enquadrar no resto do mundo. Quando conhece W.F. Gerard, um homem misterioso que arrendou a casa ao lado da sua, sente uma ligação quase imediata. Os dois tornam-se amigos e Thomas descobre finalmente alguém com quem partilhar os seus sentimentos mais íntimos. Um dia, o rapaz depara-se com o pai acompanhado por uma mulher mais jovem. Desolado com o que isso pode significar para a sua mãe, que sempre conheceu deprimida, aborda a amante do progenitor. Ao confrontá-la, acaba por ficar surpreendido com a sua sinceridade, beleza e abertura de espírito, o que o faz sentir uma atracção inapropriada, mas irresistível. Para desagrado de W.F., os dois acabam por se envolver, dando início a um enorme equívoco que abrirá feridas do passado mas que, inevitavelmente, forçará Thomas a crescer…
Um filme dramático realizado por Marc Webb – "(500) Dias com Summer", "O Fantástico Homem-Aranha" –, segundo um argumento de Allan Loeb. O título do filme faz alusão à canção com o mesmo nome escrita por Paul Simon e interpretada por Simon & Garfunkel no álbum "Bridge over Troubled Water" (1970). Callum Turner, Kate Beckinsale, Pierce Brosnan, Cynthia Nixon e Jeff Bridges dão vida às personagens. PÚBLICO

Votos dos Leitores

Média da votação dos leitores, num total de 29 votos (carregue na posição pretendida para votar)

Votos dos Críticos

Envie-nos a sua crítica

Para submeter o seu comentário tem que ter javascript activo no seu browser.

Pedimos que respeite os nossos Critérios de Publicação. Reservamo-nos o direito a não publicar quaisquer comentários inadequados ou ofensivos. O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados. Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.

Críticas dos nossos leitores