Cinecartaz

Pub

Críticas dos nossos leitores

Críticas dos nossos críticos

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Jorge Mourinha
    Torre Bela

    Torre Bela

    32 anos depois dos acontecimentos que conta e 30 anos depois de ter estreado em Cannes, um dos mais míticos documentários sobre o Portugal no imediato pós-25 de Abril chega finalmente ao circuito comercial. É um documento histórico sobre a evolução do "processo revolucionário em curso" aplicada à ocupação da herdade ribatejana da Torre Bela por um colectivo de camponeses em busca de uma vida melhor. (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Luís Miguel Oliveira
    Torre Bela

    Dentro do poder popular

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Jorge Mourinha
    Paranóia

    Paranóia

    Onde se lê "Paranóia", leia-se antes "variação descarada (e não creditada) de "Janela Indiscreta" para a era da internet". (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Jorge Mourinha
    Jindabyne

    O sapo e o escorpião

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Luís Miguel Oliveira
    Jindabyne

    Jindabyne

    Nada de fundamentalmente errado com esta adaptação australiana de uma história de Raymond Carver ( já filmada, com outra desfaçatez, por Robert Altman, num dos segmentos de "Short Cuts"), que Ray Lawrence dirige com segurança académica num ritmo a que se chamaria "falso lento" se a expressão não estivesse conotada com o jargão futebolístico. (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Jorge Mourinha
    Os Simpsons: O Filme

    Uma verdade inconveniente

    À conta desta prosa, os blogues cinéfilos vão encontrar mais umas quantas razões para resmungar que os "críticos" (coisa que, em rigor, não existe enquanto classe; existem apenas pessoas que têm opiniões diferentes e as exprimem de maneiras diferentes...) têm de arranjar razões para "dizerem mal" de um bom filme. (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Luís Miguel Oliveira
    Os Simpsons: O Filme

    Os Simpsons

    Mesmo em versão cinema os Simpsons resistem à domesticação ("mau gosto" a rodos) e não mitigam o seu poder de comentário sobre a realidade contemporânea. Mesmo com mensagem "ambiental", não se tornam didácticos (pelo contrário, o filme é bastante deseducativo). (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Vasco Câmara
    Bug

    Vida de insecto

    Os insectos que crescem em sacos debaixo da pele humana ou debaixo dos dentes podem ou não existir, mas a paranóia é mesmo um vírus. Contamina Peter (Michael Shanon) e Agnes (Ashley Judd), algures num motel no meio do deserto, EUA. Como no quadro pendurado na parede: Peter vê ali pessoas, as pessoas que ali não se vêem. (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Jorge Mourinha
    Bug

    Bug

    Foi para filmes como este que se inventou a definição "OVNI". Adaptando uma peça off-Broadway, "Bug" é uma metáfora da América pós-11 de Setembro disfarçada de ensaio sobre a loucura, filmada com uma segurança quase ofensiva por um Friedkin que parece ter reconquistado a urgência de "Os Incorruptíveis Contra a Droga" ou "Viver e Morrer em Los Angeles". (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Mário Jorge Torres
    Alpha Dog

    Alpha Dog

    Mistura de comédia "teen" e de manifesto sobre as desventuras de um "teenager" graduado à lista dos mais procurados pelas autoridades, "Alpha Dog" revela, de forma radical, os limites de Nick Cassavetes como cineasta: empenhado em apelar aos potenciais espectadores, usando o isco de nos lembrar, mais do que seria necessário ou desejável, de que se trata de uma história verídica, o filme "requinta" nos pormenores de gosto duvidoso, quase circenses, em que as drogas, as tatuagens e a linguagem desbragada fazem figura de lugarcomum. (leia no Ípsilon)