Cinecartaz

Críticas dos nossos leitores

Críticas dos nossos críticos

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Jorge Mourinha
    Vai Seguir-te

    Passa a outro e não ao mesmo

    Desde o início (muito Carpenteriano) que se percebe que a segunda fita de David Robert Mitchell, pequena sensação junto dos mais atentos ao cinema de género, tem a cabeça – e as influências – no sítio certo. (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Jorge Mourinha
    Metamorfoses

    Os deuses devem estar loucos

    Não se pode levar a mal Christophe Honoré por ter decidido pegar nas Metamorfoses de Ovídio para delas fazer uma leitura/transposição contemporânea, algures entre uma pastoral perdida e a crise identitária da França contemporânea. (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Jorge Mourinha
    Canções do Norte

    O gabinete de curiosidades

    O mérito grande da primeira longa assumida de Soon-mi Yoo, artista sul-coreana radicada nos EUA, é o de recusar qualquer exotismo ou estranheza no seu olhar “de fora” sobre a Coreia do Norte, ao mesmo que assume e integra a certeza de que nenhum estrangeiro – nem mesmo um sul-coreano – é capaz de ter sobre aquela sociedade um olhar que não seja “alienígena”. (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Jorge Mourinha
    O Jovem Prodígio T.S. Spivet

    O engenhocas do rancho

    Jean-Pierre Jeunet fez a cama onde se deitou: depois dos êxitos de Delicatessen, ainda dirigido a meias com o cúmplice Marc Caro, e de O Fabuloso Destino de Amélie, ficou arrumado na gaveta do folclore visual e do burlesco barroco. (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Luís Miguel Oliveira
    As Mil e Uma Noites: Volume 1, O Inquieto

    Portugal, moda Outono-Inverno

    Então, Miguel Gomes encontra Xerazade, as Mil e uma Noites e “mil e uma histórias”. Quase não precisava de o explicitar, sempre houve um bocadinho de Xerazade no cinema dele. (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Luís Miguel Oliveira
    Metamorfoses

    Brincando aos clássicos

    Christophe Honoré não faz a coisa por menos: são mesmo as Metamorfoses de Ovídio que se propõe adaptar neste filme. (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Luís Miguel Oliveira
    Vai Seguir-te

    A passadora

    Agora que John Carpenter parece mais interessado em jogos de consola do que em novos filmes não fica mal encontrar um aprendiz. David Robert Mitchell, de quem este Vai Seguir-te é a segunda longa-metragem, manifestamente aprendeu tudo com Carpenter. (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Vasco Câmara
    Longe dos Homens

    Rocha em branco

    Viggo Mortensen no deserto argelino, nos anos 50: é um professor numa remota aldeia e tem de escoltar um prisioneiro. (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Jorge Mourinha
    A Face do Amor

    A viúva que casou duas vezes

    Há Annette Bening e não seria preciso haver mais nada – mas A Face do Amor também tem Ed Harris, que também não é coisa que se deite fora, sobretudo quando os dois actores têm uma química tão evidente no écrã e quando o realizador os deixa assim à vontade. (leia no Ípsilon)

    • 0 Estrelas
    • 1 Estrela
    • 2 Estrelas
    • 3 Estrelas
    • 4 Estrelas
    • 5 Estrelas

    Vasco Câmara
    Descarrilada

    The Amy Schumer Show

    Vê-se Descarrilada com esforço. Há uma sitcom que o realizador Judd Apatow não consegue perverter, distorcer, desformatar – transformando-a em filme, por exemplo – por muito que estique a corda, isto é, a duração. (leia no Ípsilon)