Cinecartaz

José Miguel Costa

2 estrelas

O filme "Madame Hyde" é uma comédia que não nos aquece (nem tão pouco "arrefece") apesar de ter como protagonista uma mulher fogosa (literalmente) - Isabelle Huppert, uma timida/insípida professora de física desprezada/gozada pelos alunos que, certo dia, após ser atingida por um raio, altera a sua conduta comportamental, bem como o modo de leccionar.
O realizador Serge BOZON até pode ter tentado uma abordagem idiossincrática ao adaptar (muito livremente) o conto gótico "O Estranho Caso do Dr° Jekyll e do Sr° Hyde" a um universo (insucesso escolar/violência juvenil em contextos sociais desfavorecidos) que os cineastas franceses, por norma, preferem retratar recorrendo à linguagem do (seu querido) "realismo social" e, deste modo, (alegadamente) brindar-nos com uma sátira corrosiva (com uns pózinhos do fantasia) ao sistema de ensino gaulês ... só que a "coisa" (algo ridicula) não resultou! E apenas não descambou num "Frankenstein" por mérito da (sempre) magnífica Huppert, que salva o filme com uma interpretação elegante, intensa e deliciosamente ambígua.

Publicada a 22-05-2018 por José Miguel Costa