Cinecartaz

José Miguel Costa

3 estrelas

"Um Lugar Silencioso", que John Krasinski (sim esse, do "The Office") realiza e interpreta (em conjunto com a sua mulher Emily Blunt), é um filme de terror (não gore) num cenário de ficção científica pós-apocaliptica, que nos transporta directamente (sem qualquer interlúdio e/ou explicação) para um espaço temporal (que parece próximo) no qual o planeta está envolto num silêncio sepulcral (quem se atrever/descuidar a emitir qualquer som será de imediato aniquilado por terríveis criaturas alienígenas - que são cegas que nem toupeiras mas têm ouvidos de tísicos).

Esta película, apesar de possuir uma narrativa linear e monossílabica, é bastante eficaz (e aposto que vai ser um fenómeno cinematográfico inesperado, do género "Foge" no ano transacto - com direito a sequela) pela inteligente gestão da ansiedade que incute no espectador, fazendo-se valer para o efeito quase exclusivamente dos sons (facto tão mais salutar se atendermos que estamos em presença de uma "película comercial" que consegue "aguentar-se" neste registo único durante cerca de 90 minutos, apenas com 4 personagens, sem grandes aparatos cénicos e uma quantidade ínfima de diálogos).
Poder-se-á, deste modo, afirmar que é uma interessante "obra sensorial", que só não ascenderá ao estatuto de "filme de culto" por possuir demasiados "pregos"/incongruências ao nível do argumento (a título de exemplo, refira-se o facto do mundo "estar feito num oito" mas, mesmo assim, continuar a existir electricidade - e esta não é a sua única pérola).

Publicada a 07-05-2018 por José Miguel Costa