Cinecartaz

Fernando Oliveira

Montanha russa

Este é um filme que aflora a possibilidade de várias ideias bastante interessantes, que são depois completamente desaproveitadas.
Por exemplo: porque é que a Terra ficcionada onde habitam super-heróis continua a ser tão injusta ou mesmo terrível para tantos dos seus habitantes? Com tantos humanos capazes de “mover montanhas” com os seus poderes, haveria muitas situações que seriam resolvidas de forma muito mais correcta. Ou, neste caso, onde estava o poderio militar de Wakanda quando milhões de africanos foram capturados para a escravatura?
Outro exemplo: há um óbvio conceito fascista associada a todos os super-heróis, são seres com uma imagem militarizada com a capacidade de capturar, julgar e condenar quem perseguem. O que faz “Black panther”? Vende uma imagem idílica de Wakanda e depois deixam a decisão da coroação do rei ser decidida num combate até à morte. Que afina pelo politicamente correcto cheio de ideias mais que feitas (vamos esquecer o ridículo do final). Enfim, um filme que nada questiona.
E se é notável que Ryan Coogler é um realizador bastante estimável, a obrigação de acelerar durante as cenas de acção torna o filme em mais uma daquelas “montanhas russas”, que têm definido todos os filmes da Marvel e da DC, com personagens de papelão. Muita velocidade, quase nenhuma emoção.
Um filme fraquinho.
(em “oceuoinfernoeodesejo.blogspot.pt”)

Publicada a 26-02-2018 por Fernando Oliveira