Cinecartaz

Raul Gomes

Imperdoavel

o esquecimento de Annete Bening para o Óscar de melhor actriz, depois desta transcendente interpretação, talvez a melhor depois de "Uma Noite com o Presidente" e de "Beleza Americana" e, mesmo de "Bugsy". De realçar a cumplicidade e a química entre ela e Jamie Bell, que não via desde "Billy Elliot", e que aqui demonstra uma maturidade de realçar, credível no papel de amante, amigo e companheiro, que nos emociona até pela diferença de idades, o que prova que o amor não se explica, sente-se, entranha-se, e talvez por isso seja de relembrar que Bening está casada com Warren Beatty, cuja diferença de idade será equiparada à de Jamie para Benning. De realçar o realizador, que não conhecia, e que nos transmite uma atmosfera de amor e amizade pelo próximo, incomum nos tempos de hoje.É um fascínio vê-la representar, e só se espera que a Academia não só se lembre dela, quando for para o Óscar honorário.

Publicada a 12-02-2018 por Raul Gomes