Cinecartaz

Helena

Call me by your name...

Adorei o filme. Tudo é bonito de prender a respiração. Os cenários, as aldeias, o arvoredo, os personagens, a música, os diálogos, o alperce. O T Chalamet vai sublime. Não concordo com o Luís Miguel Oliveira quando ele refere que o diálogo entre pai e filho não se enquadra na época. 1983? Porque não? Como afirma, e bem, o pai, não somos todos iguais no que toca a liberdades de opção. Nem hoje! Só um aviso: não é um filme para mentes puritanas!

Publicada a 28-01-2018 por Helena