Cinecartaz

JOSÉ MIGUEL COSTA

4 estrelas

"Corpo e Alma", da húngara Ildikó Enyedi, é a mais insólita e bela/delicada história de amor a ser projectada nos ecrãs de cinema nos últimos anos.
Com laivos de realismo mágico e lirismo, apesar de possuir cenas verdadeiramente cruas e (literalmente) viscerais (delicadeza e brutalidade andam sempre a de mãos dadas), debruça-se sobre a solidão e a inabilidade nas relações sociais (consequência de desajustes emocionais) dos dois protagonistas que vivem o seu monótono dia a dia no lugar menos romântico do mundo (um matadouro de animais). Será neste ambiente onírico e pouco convencional que irá florescer (num "ritmo sem pressas", mais interessado em explorar a poesia dos pequenos gestos e olhares, através de excelentes planos de pormenor captados por uma câmara fixa) a exótica relação entre dois solitários anti-sociais. Um introspectivo homem de meia-idade (paralisado de um dos braços) que vive numa espécie de reclusão auto-imposta (por um qualquer motivo que não nos será desvendando) e uma bela e ultra-metódica/rígida rapariga que denota ser detentora de sindrome de asperger (incapaz de interagir com os pares e de sentir emoção).
O mais peculiar do "romance" é que este pouco tem de "fisicalidade", até porque, apesar de partilharem o mesmo espaço, a interacção entre ambos encontra-se reduzida ao mínimo (graças aos seus handicaps psicológicos que boicotam constantemente os seus "quereres" mais básicos), relacionando-se quase exclusivamente por intermédio dos sonhos comuns que partilham todas as noites (e nos quais surgem "transvestidos" de veados que vagueiam livremente por florestas pintadas de branco pelo inverno). Portanto, uma autêntica fábula dos tempos modernos.

Realce-se, para além da originalidade da (simples) narrativa, a sumptuosidade da "melancólica fotografia" e a delicadeza da banda sonora. E claro ... a performance magistral de Alexandra Borbélv, eleita por este papel como a melhor actriz europeia de 2017 nos Prémios do Cinema Europa.

Publicada a 23-12-2017 por JOSÉ MIGUEL COSTA