Cinecartaz

JOSÉ MIGUEL COSTA

2 estrelas

“O Meu Belo Sol Interior” é uma espécie de comédia romântica à la française com pretensões intelectuais/filosóficas, daquelas nada hollywoodescas (pelo que no final não irão todos viver felizes para sempre – spoiler inofensivo no “contexto da coisa”!). E o que, à partida, até poderá, parecer um elogio … não o é (isto apesar de estarmos em presença de uma das obras mais “fáceis” da Claire Denis)!

O único (grande) ponto de interesse do filme reside na sempre magnífica Juliette Binoche (aqui ainda mais magnifica que nunca!), sendo que a realizadora parece tê-lo construído à sua medida, para que esta pudesse brilhar em todo o seu esplendor (chegando quase a “encadear-nos” com a intensidade do seu “sol interior”), cedendo-lhe para o efeito o papel de uma artista divorciada, sentimentalmente frustrada, que vai saltitando entre relacionamentos, sem grande espirito critico, em busca do “verdadeiro amor”.

Publicada a 28-12-2017 por JOSÉ MIGUEL COSTA