Cinecartaz

José Miguel Costa

2 estrelas

Em 2073 o mundo está à beira da ruptura devido ao excesso de população, pelo que o Comité de Controle da Natalidade impõe a politica do filho único – algo tão mais complexo quando se verifica um boom de nascimento de gémeos consequência da ingestão de alimentos transgènicos. Deste modo, as famílias que infringirem esta regra terão os seus descendentes retirados coercivamente, com a promessa de que serão mantidos num processo de criopreservação, para uma eventual futura reanimação.
Neste contexto um avô que se vê com 7 netas gémeas recém-nascidas nos braços (já que a progenitora faleceu durante um parto efectuado clandestinamente) decide criá-las em segredo, confinadas ao espaço do seu apartamento, sendo que todas elas irão assumir uma identidade única (o que implicará que apenas acederão ao espaço exterior isoladamente e de modo alternado) e, desta forma, tentar fugir ao “sistema” (apesar de nele estarem integradas como elemento uno).

É desta interessante premissa que parte o filme “7 Irmãs – What Happened To Monday?”, um triller de ficção cientifica do realizador Tommy Wirkola, no entanto, as suas potencialidades não são devidamente exploradas a nível narrativo, enveredando por soluções demasiado fáceis e lineares (e, por vezes, algo incongruentes).
Todavia, tal não implica que esta obra seja totalmente descartável, inclusivé, será relembrada no futuro devido à magnifica prestação de Noomi Rapace que dá corpo e alma às 7 gémeas (numa espécie de quase “monólogo” em que contracena consigo própia – genial!).

Publicada a 07-11-2017 por José Miguel Costa