Cinecartaz

Leonor

O amor de uma mulher não é bem transacionável

O filme revela através da história da órfã Sophia que, ao contrário do que muitos homens desejam, em especial os financeiramente abençoados (uso este termo porque o filme carateriza precisamente essa lógica de benção versus castigo na relação do homem com deus, segundo a lógica calvinista), o amor de uma mulher não se pode comprar. Sophia é uma jovem grata ao seu marido, que a tirou da miséria, e pretende, com todas as suas forças, respeitá-lo. Todavia, não resiste ao amor que sente pelo pintor Jan van Loos, torturando-se pelo resultado dos seus planos para se livrar do casamento. Esta ação corre ao mesmo tempo que a cidade de Amesterdão fervilha com a especulação ilegal em torno do mercado das tulipas. O filme vale assim não só por ser um fresco da época, mas sobretudo pelo facto do argumento, baseado num best-seller mundial, contar com a interpretação de atores muito qualificados como Judie Dench, a abadessa, Christoph Waltz, o rico mercador, e em particular, pelo desempenho de Alicia Vikander, a inquieta Sophia.

Publicada a 11-10-2017 por Leonor