Cinecartaz

JOSÉ MIGUEL COSTA

4 estrelas

"Foge", a primeira longa-metragem de Jordan Peele, é um objecto cinematográfico híbrido, que funde vários géneros num só produto, podendo, grosso modo, afirmar-se que estamos em presença de uma espécie triller psicológico dramático com uma dose generosa de sátira racial, que apela, não poucas vezes, ao humor corrosivo (sobretudo na sua fase inicial, uma vez que à medida que a narrativa evolui vai entrando gradualmente no domínio do "terror"). Socorre-se de um argumento que alia simplicidade/subtileza e inteligência, de tal modo, que tem a capacidade de agradar a públicos com exigências diferenciadas. E estas suas especificidades já o transformaram num dos "filmes de culto" de 2017 ... com toda a justeza, diga-se em abono da verdade (pois não é qualquer um que consegue a proeza de fazer-nos sorrir e, em simultâneo, "roer as unhas quase até ao tutano").

Abster-me-ei de falar-vos sobre a sua história, na medida em que é difícil fazê-lo sem ser spoiler, todavia, digo-vos que a acção decorre numa comunidade abastada e racista cujos membros verbalizam que votariam alegremente pela terceira vez no Obama, caso ele pudesse ter-se candidatado (e sei que com isto não abro muito o jogo ... aparentemente - afinal, nesta obra todas as palavras/acções têm consequências/significados à posteriori).

Publicada a 07-05-2017 por JOSÉ MIGUEL COSTA